terça-feira, 23 de agosto de 2016

Deuses proeminentes no universo dourado: Khepri, o escaravelho do sol nascente e Khnum, o deus egípcio da criação

 Khepri é o deus escaravelho egípcio do nascer do sol. Ele é uma divindade primordial, que nasceu ao dizer seu próprio nome, e assim gerou Shu, deus do vento, e Tefnut, deusa da umidade do ar e das nuves, e esses geraram Geb e Nut, mas isso é outra história. Khepri é, obviamente, um escaravelho que rola bolas de estrume, mas aqui ele tem o papel de rolar o Sol para fora do Tuat, a dimensão mágica que existe em baixo da pele da nossa. Khepri é a personalidade da manhã do deus Sol Rá, e assim, seu poder está ligado à luz e ao sol. Os antigos egípcios acreditavam que a cada nascer do Sol, não era apenas um novo dia, mas o nascer de um novo mundo. Khepri NUNCA aparece em forma humana para ninguém, ele acredita que não é o momento de os humanos o verem novamente e se contenta com seu trabalho. No entanto... quando Rá foi para seu sono crepuscular, Khepri foi "sacrificado" e divido em muitos escaravelhos menores para gerar um mar desses insetos e aprisionar Apófis na parte mais profunda do Tuat. Mas agora com a guerra entre o Abismo e o Ouro, Khepri voltou, e ele trará nova esperança e nova vida para quem precisar.

(Escrevi errado, NÃO ACREDITO, EU NÃO ACREDITOOOOO(Leia com a voz do senhor Donizildo)).
Khnum é o deus egípcio que representa a criatividade, vida nova, ele regulava as águas do Nilo e também criava os humanos em seu torno de argila, mas não só a carne humana era criada, mas também o ka humano (uma das partes da alma, junto com o ib, sheut, ba, ren, khat, akh, sahu e o sekhem). Khnum por vezes é relacionado à outra personalidade de Rá, assim sendo o Sol do fim da tarde e que entra no Tuat para a viagem noturna de Rá. Khnum tem uma cabeça de carneiro e olhos tristes, mas em suma ele não é O guerreiro, mas sim um criador, visto que ele possui uma personalidade gentil para aqueles que precisam dele.
Assim que a guerra se instaurou e dividiu todos os panteões nos grupos dos Lordes do Abismo contra a Aliança Dourada, Rá obviamente foi para os dourados, e por tabela, levou Khepri e Khnum com ele, e eles são tão necessários quanto se podia esperar.


Deuses proeminentes no universo dourado: Tezcatlipoca, o deus do céu noturno, das catástrofes e Senhor do Espelho Fumegante

 Tezcatlipoca é um dos três grandes deuses do mundo Asteca. Ele é o céu noturno, o vento noturno, os furacões e os terremotos. Ele é o fogo, a terra e a morte e o Senhor do Espelho Fumegante que pode lhe mostrar toda a humanidade. O deus jaguar foi quem conseguiu banir o deus serpente emplumada Quetzalcoatl e instalar na tradição asteca os rituais de sacrifício humano. Sua aparência é de um grande 'werecat' com forma de jaguar, usando seu espelho e ricos enfeites. Na forma "humana" ele faz jus ao seu titulo de deus do céu noturno, quase uma cópia escrachada de Nut, deusa egípcia do céu. Sua pele é de tons de preto e azul do mais profundo pontilhado de estrelas, e na cabeça ele usa uma capa de jaguar. Se ele é aliado do Abismo? Não tenha dúvidas disso. Existe uma razão para que Tezcatlipoca não use roupas "normais": ele tem um forte desprezo pela cultura humana atual, as roupas cada vez mais feias e ridículas, nada feito com as próprias mãos depois de caçar sua comida ou mesmo feito com carinho, e por isso, ele sempre aparece nas roupas tradicionais astecas.

Deuses proeminentes no universo dourado: Ran, a deusa do mar

A deusa Ran é a deusa nórdica do mar, ela astuta e com grande poder. Sua aparência é de uma mulher de cabelos longos ondulantes como a água. A parte inferior está conectada à um redemoinho de água e espíritos de guerreiros mortos em naufrágios, afinal ela também fará parte do Ragnarök. Essas almas estão presas pela rede de pesca, sua maior invenção. Depois ela ensinou o truque à Loki que ensinou aos outros æsires e por fim aos humanos. Não fica claro se ela está do lado do Abismo ou do Ouro. Seu marido é Aegir.
A deusa do mar

Deuses proeminentes no universo dourado: Bes, o deus protetor das mães e crianças

Bes
Forma "humana"
 Bes é um anão robusto, um deus relativamente poderoso, mesmo sendo visto como um bobo-da-corte entre os deuses do Antigo Egito. Ele é senhor do prazer e da alegria, inimigo de tudo o que é mau e ruim. Além de tudo isso, ele é o deus da proteção no parto, portanto as mulheres costumavam o reverenciar muito. Diz-se que Bes costuma proteger a casa de uma mulher em trabalho de parto balançando um chocalho e gritando, fazendo caretas e tocando um tambor para afugentar demônios que poderiam amaldiçoar a criança. Logo após o bebê nascer, Bes ficava ao lado do berço, fazendo gracinhas para a criança, e se ela risse sem motivo algum, e os humanos pais da criança não vissem nada, era ÓBVIO que era Bes quem estava ali. Entre os deuses da aliança dourada, Bes é visto como um deus importante, não muito o tipo do guerreiro, mas aparentemente, era ELE quem estava protegendo os 24 filhos do ouro na hora do parto. Em uma forma humana de disfarce, Bes assume a posição de médico, parteiro de preferencia. Muitas pessoas se surpreendem de um anão ser médico, mas afinal, ele é um deus.

Criaturas proeminentes do universo dourado: Delphin, o líder dos golfinhos

O senhor dos golfinhos.
Delphin é uma criatura grega, um golfinho a serviço de Poseidon. Ele é o líder dos golfinhos, onde quer que estejam, e eles o servem até a morte. Delphin não é como um golfinho comum: a cor de sua pele é diferente, mais clara, com linhas que mudam e desaparecem, um desenho que parece um elmo de guerra na cabeça e o símbolo de Poseidon: seu tridente. Delphin é tão poderoso que até os tubarões o respeitam e o honram. Poseidon mais tarde o tornou a constelação de delphinus. Ele decidiu se unir aos dourados por que, obviamente, Poseidon estava desse lado, ele não podia trair seu mestre, tampouco se bandear para o lado onde acreditavam que animais não tinham alma.

sábado, 13 de agosto de 2016

Texto em homenagem: Pedro, WulfJakal, Jackal-nii san.

“Era de tarde, Imperia estava relativamente tranqüila. Pedro caminhava pela rua, distraído, imerso em pensamentos. Desde que haviam surgido novos heróis, ele não sabia como deveria liderar. Alguns eram jovens, mas que era mais velha era uma garota chamada Ana Maria, ela usava o nome de ‘Ninfa Branca’, e eles se tornaram muito amigos, até o ponto de chamá-la de irmã ou maninha. Enquanto Pedro ficava refletindo sobre sua liderança e suas atitudes, até o momento em que seu celular ligou com um toque estúpido que ele havia colocado pra ligações. “Que idéia idiota eu tive de colocar essa musica no celular...” ele pensou enquanto atendia. Do outro lado Paulo Soares, seu amigo de Portugal era que

- Oi pra você também Paulo, agora respire e diga com calma o que aconteceu.
- Pedro, estou tentando te explicar que aquela rapariga chamada Ana sumiu!
- Como é?! Deuses! Por que diabos não disse com calma?!
- Eu estava tentando, ora pois! Tinha eu ido na casa dela pra ver como estava e lá era só bagunça e destruição!
- Tô indo ‘praí’ AGORA.
- O que? Como? Espere! Tem mais...!

Mas era tarde, Pedro decidiu na mesma hora correr de volta pro seu apartamento, e sua cabeça estava à milhão: Ana seqüestrada? Quem teria feito isso? Ele tinha uma idéia, provavelmente a milícia da Serpente do Sol negro, que trabalhava secretamente para as empresas Mundial Vision inc., e ele os faria pagar se a tivessem machucado.
m estava falando, e ele falava rápido. Paulo era filho de Hefesto, conhecido como Colosso, e era um poderoso aliado. Pedro suspirou e deixou Paulo terminar pra começar a falar:

'Onde você estará quando o céu vir abaixo?
E o que você faria se a força fosse encontrada?
Fique do meu lado quando o chão começar a tremer
O único som será de nossa respiração
Se tem algo que eu possa lhe prometer
Nós veremos a luz novamente'

Alguns minutos depois, Pedro chegou em seu apartamento, com uma explosão de raiva gritando:
- Agora expliquem de uma vez o que aconteceu com a MINHA IRMÃ!

Alberthy, Pedro e Paulo se assustaram. Alberthy já estava um pouco mudado desde a adolescência se vestia como um rapper ou algo assim, já tinha uma filha e agora esperava um filho com outra garota. Pedro Celestino era carioca, pele morena, roupas simples e um moicano. Ele era filho de Thor, e seu nome era Tempestade. Assim que Pedro cruzou a sala, os três olharam pra ele apreensivos, mas Alberthy tomou a frente e acalmou ele.

- Calma cara... Eu vou explicar tudo, o Paulo me contou, demorou um pouco pra entender, mas a idéia geral é: ele tinha ido consultar alguma coisa com ela, e quando bateu na porta, ninguém respondeu, eles esperou alguns minutos até ter a sensação que algo estava errado, e aí abriu a porta, entrou e o que ele viu não fazia sentido: tudo revirado, quebrado, marcas de explosões e queimaduras nas paredes e móveis, que estavam quebrados e em pedaços, marcas de sangue nas paredes e chão, roupas rasgadas e pelo menos três soldados mortos, e eles eram...
- ...da milícia da Serpente do Sol negro. – Pedro Completou – Eu tive essa sensação, o que diabos eles podem querer com ela?
- Acho eu que posso responder. – Paulo Interveio – Eu dei meu jeito de procurar algumas pistas, achei algemas que continham uma energia maligna, a maioria foi destruída, mas depois disso falei com o seu amigo Alberthy pra invadir as instalações da maior sede regional da Mundial Vision inc., e ele descobriu algumas coisas.
- Sim, eu descobri – Alberthy Respondeu -, e o que descobri é que eles queriam a mais frágil de nós, os filhos do ouro, pra tentar descobrir se existe algum gene em comum entre todos nós, pra conseguir inibir nossos poderes, criar um vírus pra nos matar a todos, ou pra nos controlar, e pensar que estão fazendo isso com a Ana, de quem você tanto gosta...
- Sim, e nós vamos até lá, resgatar ela, destruir tudo e matar todos, não necessariamente nessa ordem.
- Opa, péra! Como assim invadir a sede da Mundial Vision inc.? Tá louco? – Pedro Disse. Ele era relativamente jovem, tinha uns quinze anos, mas era corajoso. No entanto, enfrentar inimigos que recebiam ordens diretas do próprio Apep, a serpente do caos, isso era demais. – Tem certeza que não vamos precisar de tempo pra planejar um resgate e chamar o resto do pessoal?

A única resposta de Pedro a isso foi um olhar, um olhar frio, carregado de ódio e uma coragem determinada banhada com sede de vingança.

‘Essa é a calmaria antes da tempestade
É a manhã de céu rasgado
Sem aviso agora
É a luta que esperávamos
E não faz sentido correr’

E então eles foram até lá. Já era tarde da noite, eles realmente planejaram, mas foi pouca coisa. Eles decidiram que iriam invadir o prédio, achar o complexo de laboratórios embaixo do prédio todo, achar a prisão, resgatar Ana e por fim, destruir todos os arquivos que pudessem ajudar o Abismo à vencê-los. Alberthy estava como Sinistro, Pedro como Tempestade, Paulo como Colosso e Pedro vestia suas roupas normais. Ele havia dito que não queria esconder o rosto, mesmo que usasse algum glamour pra esconder seu rosto de algumas pessoas que fossem por ventura inocentes, ele queria que a milícia visse quem era que estava os matando sem piedade. Eles estavam de frente para o prédio, uma edificação muito alta que mesmo de noite parecia brilhar tudo graças às janelas de vidro. 

- Estais certo de que isso é boa idéia, Pedro? – Colosso Lhe perguntou pela décima vez, e Pedro ignorou.
- Sabe que uma vez lá dentro, não vai ter volta, vamos ter que fazer até o fim. – Sinistro Reforçou o argumento. Ao que Pedro endureceu a expressão, e fez algo que nem ele esparava fazer: usou o seu cajado dourado, que fazia muito tempo que não usava. Ele ativou o modo martelo do cajado e preparou um golpe violento que arrebentou as grandes portas automáticas de vidro da entrada.
Depois disso, as coisas aconteceram muito rápido: os soldados da milícia entraram em ação e atiraram com fúria, ao que Colosso ativou seu escudo de fogo e repelia as balas ou as derretia devido ao calor. Sinistro usava seu martelo de troll, uma arma pesada e grande, mas muito efetiva. Tempestade batia seu martelo elétrico aqui e ali, enviando raios de eletricidade nos inimigos e os torrando por completos, mas a coisa mais impressionante foi Pedro: ele acertava aqui e ali os inimigos pra juntar energia, e quando ele saltou numa posição de ataque, ele estava todo rodeado de uma energia escura como uma estrela de nêutrons, com luzes vermelhas e violeta cercando tudo, e o golpe do martelo gerou uma onda de necrose por todo o ambiente.

‘O martelo está vindo abaixo, abaixo

O martelo está vindo abaixo, abaixo
O martelo está vindo…’

Depois de todos os guardas estarem mortos, Colosso usou um de seus dons seguindo as instruções de Pedro sobre a localização do laboratório. Ele apontou seu martelo de ferreiro pra uma parte no chão e derreteu todo o solo ali em um enorme circulo perfeito e fumegante. Pedro não hesitou e desceu pelo buraco, seguido por Sinistro, e enquanto Pedro corria pelo longo corredor prateado de metal, ele usava o seu dom mais cruel: a necrose, um poder que pode induzir a decomposição em pessoas vivas, gerar doenças degenerativas, fazer coisas vivas ou coisas inanimadas virarem pó, e em todos os cientistas do corredor ou guardas, Pedro usava a necrose e os matava sem piedade, como ele prometeu. Sinistro ficou pra trás, tentando verificar se haviam sobreviventes, e por isso Pedro chegou na frente às portas do grande laboratório, e não pensou duas vezes em arrebentar com as portas usando seu martelo dourado.

'Uma vez começado, não há volta
E eu estarei com você quando o sol se tornar preto
Porque encontrar fé sempre será o mais difícil
Enquanto você está parado no coração das trevas
Se tem algo que eu possa lhe prometer
É que nós veremos a luz novamente

Essa é a calmaria antes da tempestade
É a manhã de céu rasgado
Sem aviso agora
É a luta que esperávamos
E não faz sentido correr
O martelo está vindo abaixo, abaixo
O martelo está vindo abaixo, abaixo
O martelo está vindo'



Os guardas se assustaram ao ver que alguém havia invadido a sala, mas Pedro foi mais rápido, e usou a necrose pra matar qualquer um que não estivesse magicamente protegido. Pedro usou tanto esse poder que quase se deixou levar por um frenesi de morte, e assim que todos estavam mortos, ele foi até o fim da sala, onde ele tinha visto uma enorme cela. Ele arrebentou a porta. E o que viu lá fez sua raiva abrandar e uma lágrima escorrer pelo rosto. Ana era uma garota da idade dele, só que “pequena”: cabelos curtos, magrinha, rosto delicado e muito jovem. Ele costumava a chamar de “agrololi”, uma piada pessoal dos dois por conta de ela ter morado em uma região agrícola e ela ser parecida com uma personagem “lolita”, uma mulher com aparência infantil. Ela estava deitada, num chão sujo, com sangue por todo o lado, um travesseiro empoeirado e um copo de algum liquido virado no chão. Seu corpo delicado estava coberto de hematomas e cortes e queimaduras, e isso cortou o coração de Pedro. Ele foi até ela devagar, segurou-a nos braços com carinho, e não disse nada por alguns minutos, apenas deixando algumas lágrimas lavarem seu rosto e um sentimento de dever tomar seu coração. Então ele falou em um tom baixo e carinhoso:

- Vou cuidar de você, eu prometo.

E assim ele se levantou com ela em seus braços, mas com cuidado pra não incomodá-la. Sinistro chegara ao local, vira a cena toda, mas o que ele reparou foi na expressão de coragem no rosto do amigo: sério, austero, quase frio, e em seus braços ele carregava sua irmã, Ana. Ele tentou dizer alguma coisa, mas a voz não saiu, de tão surpreso que estava.




‘Segure-se
Vamos aguentar até a manhã
Vai estar aqui sem demora
Segure-se
Se encontrar-mos a luz
Poderemos voltar para casa
Segure-se
Vamos aguentar até a manhã
Vai estar aqui sem demora

Segure-se
Se encontrar-mos a luz
Encontraremos a luz, vamos lá
Segure-se
Vamos aguentar até a manhã
Vai estar aqui sem demora

Segure-se
Se encontrar-mos a luz
Poderemos voltar para casa
Segure-se
Vamos aguentar até a manhã
Vai estar aqui sem demora

Segure-se
Se encontrar-mos a luz
Encontraremos a luz, vamos lá’


E ele carregou sua irmã pelos corredores de volta à saída, mas pegou o caminho mais longo, andando devagar até o elevador mais próximo. Sinistro repetia:
- Precisamos nos apressar! Se mais guardas chegarem, ela – Ele apontou para Ana – pode se tornar um alvo! – Mas Pedro ignorava alguns passos e depois respondia:
- Não vou dar nenhum desconforto pra ela. Ela está machucada, e eu tenho que cuidar dela.

Então eles chegaram às portas, e Pedro olhou para o céu noturno. “Já está amanhecendo?” ele pensou, “demorou tanto tempo assim...?”. Eles todos estavam ocupados: Colosso estava incinerando todos os computadores; Sinistro estava agora checando os sobreviventes inocentes e Tempestade apenas observava Pedro com uma grande admiração. Mas antes que ele pudesse dizer algo, Pedro preparou um de seus poderes: o super pulo. Os soldados anubitts tinham essa habilidade de super pulo para poder investir com força total nas batalhas, mas Pedro usava esse poder mais para se locomover, e quanto mais o usava, mais poderosos esses saltos ficavam. E em um instante ele já estava no ar, sendo fustigado pelo vento devido à velocidade que ele havia conseguido. Ana ficou com um desconforto por causa disso, acordou um pouco e olhou para cima, e o que viu a deixou impressionada: ela estava nos braços de um homem forte, cabelo longo balançando ao vento e banhado pelas ultimas luzes da noite de uma lua crescente e das estrelas. Ela suspirou aliviada e sorriu, fechando os olhos cansados e sorrindo com um esforço, e sussurrou pra si mesma:
- Jackal-nii san... – E adormeceu em seus braços. E então, eles começaram a queda, e nesse momento, o sol nasceu, e um novo dia e um novo mundo nasceu, com uma promessa mental que Pedro fez a si mesmo: eu não vou abandonar você, Ana, eu te amo minha irmã.

‘Se encontrar-mos a luz)
É a calmaria antes da tempestade
(Se encontrar-mos a luz)
Essa é a luta que esperávamos
Segure-se
Vamos aguentar até a manhã
Vai estar aqui sem demora
Segure-se
Se encontrar-mos a luz
Encontraremos a luz, vamos lá...’”

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Explicando, explicando... e pedindo desculpas.

Bom... não postei muita coisa recentemente não é? Sofri muitos desfalques, fiquei desorganizado, desenhos por fazer, criei a page, e agora estou me reestruturando e tudo mais. Eu estou planejando muita coisa, como por exemplo: deuses pra postar aqui, as equipes que eu AINDA não terminei, a parte 3 da raça orc, e... tan-tan-tan! Eu decidi colocar mais quatro heróis, mais quatro deuses e mais quatro monstros antigos. Essa decisão veio depois de que uma coisa MUITO ruim me aconteceu. Não vou divulgar aqui o que ocorreu, mas eu rezo aos deuses que a minha irmã fique bem. Além disso, vão haver pequenas mudanças quanto à alguns nomes de heróis, isso é só uma ideia que eu tive. Em breve tem mais!